Autônomo: como comprovar renda no financiamento

Por:

Para

MercadoJá

Nem sempre é fácil comprovar renda no financiamento sendo autônomo. Isso porque, diferente de quem trabalha registrado, quem trabalha por conta não tem um recibo de salário mensal que possa comprovar a renda. Além disso, muitas vezes a renda também não é constante, o que dificulta o processo.

No entanto, nem tudo está perdido. Há alguns documentos que podem ser úteis em situações como essa, como extratos bancários e a Declaração de Imposto de Renda. Assim, ainda existe a possibilidade de ser aprovado no financiamento.

Veja agora 8 dicas para você, como autônomo, comprovar renda no financiamento e ser aprovado.

8 dicas para autônomo comprovar renda no financiamento

1. Concentre sua renda em uma conta bancária

Se você tem mais de uma conta bancária, procure concentrar os seus recebimentos em uma conta, apenas. O extrato bancário é um dos documentos que você pode apresentar como comprovante de renda. Isso porque, com ele, o banco pode saber quanto você ganha por mês.

Depois de fazer isso, aguarde por alguns meses até ir ao banco solicitar o financiamento. Assim, você consegue comprovar uma frequência na movimentação da conta e aumenta as suas chances de aprovação. Espere cerca de 6 meses para fazer a solicitação.

2. Abra uma conta corrente

Caso você ainda não tenha uma conta corrente, está na hora de abrir uma. Ela é fundamental para que você consiga fechar o financiamento, além de ser um dos meios de comprovar renda como autônomo.

Mesmo que você já tenha uma conta poupança, a conta corrente ainda será necessária para o pagamento das parcelas. Portanto, providencie a abertura de uma conta, de preferência no banco onde quer contratar a linha de crédito. Na maioria das vezes, um dos requisitos para ser aprovado é ser cliente do banco.

3. Junte os documentos certos

Embora você possa usar o seu extrato bancário para comprovar renda, ele não é o único documento que deve ser apresentado. Normalmente, os bancos também exigem que você mostre a sua Declaração de Imposto de Renda.

Além dela, outros documentos ainda podem ser solicitados. Por isso, veja antes com o banco quais são os documentos necessários para que você possa providenciá-los.

4. Consulte o seu CPF

Se você estiver com dívidas no seu CPF e o nome sujo, dificilmente vai conseguir aprovação no financiamento. Mesmo que o banco aceite os seus comprovantes de renda, a restrição no nome será um impedimento.

Dessa forma, uma boa maneira de evitar constrangimentos é consultar o seu CPF antes de solicitar o financiamento. Assim, você saberá se está tudo bem ou se existe alguma pendência.

Se houver o apontamento de alguma dívida, procure quitá-la o quanto antes. Afinal, sem isso, você não conseguirá fazer o financiamento desejado.

5. Faça o Cadastro Positivo

Fazer o Cadastro Positivo também pode te ajudar com a aprovação. Ele reúne informações importantes sobre a sua vida financeira, funcionando como uma espécie de currículo financeiro.

Com ele, o banco vai poder saber se você paga suas contas em dia, quais produtos financeiros você costuma contratar, entre outras informações relevantes.

Você pode fazer o seu Cadastro Positivo online e gratuitamente pelo site do Serasa ou pelo site do Consumidor Positivo (Boa Vista).

6. Formalize o seu trabalho

A formalização do seu trabalho é um dos fatores que pode te ajudar a conseguir o financiamento. Você pode se tornar MEI (Microempreendedor Individual) ou ser optante pelo Simples Nacional.

A primeira opção implica que você pague uma taxa mensal única referente aos impostos e que te dá direito aos benefícios do INSS. Já a segunda opção é mais indicada se você faturar mais por ano, até R$ 3,6 milhões. Nela, também é possível pagar todos os tributos por meio de uma única guia.

7. Guarde contratos e recibos

Além de apresentar os extratos bancários e a Declaração do Imposto de Renda, você também pode apresentar os contratos e recibos de produtos ou prestação de serviços. Ao mesmo tempo que assalariados podem apresentar seus holerites, o trabalhador autônomo também pode apresentar os recibos de seus trabalhos.

Portanto, guarde com cuidado toda essa documentação, pois ela pode ser útil não apenas para o financiamento, mas também para outras situações.

8. Emita a Decore

Por fim, você pode emitir a Decore, que e a Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos. Trata-se de um documento que comprova a renda de quem não tem registro em carteira.

Para conseguir este documento, será necessário que você contrate o serviço de um contador, tendo que pagar por isso. No entanto, sendo um documento oficial, ele tem muita influência para o banco, o que faz com que o custo valha a pena.

E se não funcionar?

Se nenhuma dessas dicas funcionar para você, uma alternativa é fazer um consórcio. Nesta opção, você não conseguirá ter o carro em mãos tão rápido como em um financiamento, porém, não terá que pagar juros e nem precisa comprovar renda.

Confira aqui as 15 melhores administradoras de consórcio!