Como funciona um cartão de crédito? Montamos um glossário

Por:

Para

MercadoJá

A aquisição do primeiro cartão de crédito traz muitas possibilidades, mas também algumas dúvidas. Da escolha da data do vencimento à possibilidade de parcelar o pagamento de uma despesa, passando pelos juros altos em caso de atraso, o usuário de primeira viagem deve ficar muito atento às regras e detalhes a fim de se preparar e evitar surpresas. E você, ainda tem dúvidas sobre como funciona um cartão de crédito? A seguir, nós confira um glossário bem explicativo com os principais termos ligados aos cartões.

Administrador (ou emissor)

Também conhecido como emissor, é quem emite o cartão de crédito. E não só isso! Inteiramente responsável pela análise de perfil, é ele quem aprova ou nega o pedido de cartão, determina o limite disponível e administra as faturas, assim como todas as transações ligadas ao cartão, incluindo cotação do dólar, juros por atraso, entre outras. Portanto, é ele que você deve procurar na hora de pedir um cartão de crédito e também para resolver problemas, como perda ou roubo do cartão, cobranças indevidas, etc.

Os emissores mais conhecidos são os bancos, mas também existem outros como cooperativas de crédito, fintechs, supermercados ou mesmo lojas de departamento. Nesse sentido, é importante destacar que, muitas vezes, não é preciso ter conta em determinado banco para solicitar um de seus cartões. No entanto, alguns emissores podem fazer essa exigência.

Anuidade do cartão de crédito

Principal tarifa ligada aos cartões de crédito, ela é cobrada anualmente pelo emissor pelo uso do cartão, podendo ser cobrada na fatura de uma vez só ou de forma parcelada.

Quem determina o valor da anuidade é o próprio administrador sendo que, em geral, quanto mais alta é a categoria do cartão — e, portanto, quanto mais benefícios são oferecidos por ele —, mais alta tende a ser a anuidade. 

Conhecer o valor da anuidade é importante pois, muitas vezes, é ele quem vai determinar se um cartão vale mesmo a pena para você. Por exemplo, digamos que você tenha um cartão cuja tarifa anual é de R$ 300, mas ele te dá benefícios como seguro de viagem, de automóvel, garantia estendida, entre outros. Dependendo do uso que você faz dessas vantagens, esse cartão pode representar uma economia para você.

Graças à chegada de fintechs, como Nubank, Banco Inter, C6 Bank e outras, atualmente é possível encontrar diversas opções de cartão de crédito com anuidade gratuita. Além disso, alguns cartões também isentam o cliente da cobrança a partir de determinada quantia gasta mensalmente no cartão.

Bandeira

Visa, Mastercard, Elo e Hipercard são os principais exemplos de bandeiras mais populares no Brasil. Enquanto o administrador é responsável pela disponibilidade de crédito e pelas transações feitas com o cartão, a bandeira determina principalmente a rede de aceitação. Isto é: os estabelecimentos em que você poderá usar seu cartão de crédito. 

Por conta de uma determinação do Banco Central que desautorizou a existência de arranjos de pagamentos fechados — quando uma bandeira passa somente em uma maquininha —, a rede de aceitação das três bandeiras é bastante parecida. 

É em parte por isso que, para driblar a concorrência, elas apostam em uma série de benefícios a seus clientes. Entre as vantagens oferecidas pelas bandeiras estão: seguro de viagem, seguro automóvel, acesso a salas VIP, garantia estendida, proteção de preço, proteção de compras, entre outros. Já o programa de recompensas é gerido pelo próprio administrador do cartão.

Crédito rotativo - como funciona no cartão de crédito

Um dos termos mais polêmicos quando o assunto é cartão, o crédito rotativo é conhecido por ser um dos grandes responsáveis pelo endividamento dos brasileiros. Ele entra em vigor sempre que o cliente atrasa ou faz o pagamento mínimo da fatura. Quando isso acontece, o valor que não foi pago é acrescido dos chamados juros rotativos, que estão entre os mais altos do mercado, ficando em torno de 14% ao mês. Em caso de atraso, também é cobrada multa por atraso de 2% e juros de mora de 1% ao mês.

A fim de reduzir o endividamento no cartão de crédito, desde 2017, não é mais possível permanecer no crédito rotativo por mais de um mês. Após esse período, caso o cliente não consiga quitar a dívida, o emissor é obrigado a oferecer o parcelamento do débito com uma linha de crédito mais em conta. Mas atenção! Mesmo com as novas regras, as taxas de juro do cartão ainda assim são altas. Portanto, programe-se para fazer o pagamento da fatura em dia.

Data de vencimento

Corresponde à data limite para fazer o pagamento da fatura. Depois dela, o valor que não foi pago já fica sujeito aos juros rotativos, além de juros de mora e multa por atraso. 

Ao contratar um cartão de crédito, o emissor costuma oferecer algumas opções de data no começo, no meio ou no fim do mês. Para evitar surpresas, o ideal é que a data escolhida fique entre 5 a 10 dias após a data de recebimento do salário. Dessa forma, você ganha uma folguinha em caso de atraso (por conta de fins de semana ou feriados, por exemplo), mas não fica com o dinheiro na mão por muito tempo, correndo o risco de gastar antes do pagamento da fatura.

Data de fechamento da fatura do cartão de crédito

Data de fechamento da fatura do cartão de crédito

Data de fechamento é diferente de data de vencimento da fatura do cartão de crédito. O fechamento ocorre vários dias antes do vencimento, normalmente em 10 dias, mas pode variar de acordo com o cartão.

Todos os gastos realizados após o fechamento da fatura ficarão para o próximo mês. Saber a data de fechamento da sua fatura permite calcular o melhor dia para compra no cartão de crédito.

É enfim a relação de gastos feitos no cartão no período de 30 dias. Emitida uma vez por mês, ela deve ser paga até a data de vencimento, como se fosse um boleto. Do contrário, você estará sujeito à cobrança de juros rotativos e multa por atraso. 

Além de apresentar a relação de gastos, as faturas também costumam trazer informações relevantes como: cotação do dólar utilizada, limite de crédito disponível, existência de compras parceladas, taxas de juros em caso de atraso ou pagamento mínimo e melhor dia para compras.

Na hora de conferir a fatura, vale a pena olhar para as despesas com cuidado a fim de confirmar se elas realmente foram feitas por você. Nesse sentido, vale ressaltar que elas nem sempre vêm com o nome fantasia dos estabelecimentos. Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com o emissor. Ele poderá te dar mais informações, como o local em que foi passado o cartão.

Limite de crédito

Quando você usa um cartão de crédito, é como se o emissor emprestasse mensalmente determinada quantia para você. A essa quantia é dado o nome de limite de crédito do cartão. 

Para entender melhor como isso funciona, imagine que, após uma análise de crédito, o emissor oferece a um cliente o limite de R$ 1.500. Ao fazer uma compra de R$ 250, esse valor é subtraído do limite, deixando o cliente com R$ 1.250 para gastar e assim sucessivamente a cada despesa. 

Agora, vamos imaginar que esse mesmo cliente já gastou os R$ 1.500 disponíveis e tenta fazer uma nova compra no valor de R$ 150. Nesse caso, o emissor poderá fazer uma análise emergencial de crédito, sujeita à cobrança de tarifa, liberando ou não a compra. 

Seja como for, após o pagamento da fatura, o limite do cartão é restabelecido, exceto pelas parcelas a vencer, como veremos a seguir.

Parcelamento no cartão de crédito

Um dos pontos que mais gera dúvidas entre os usuários de cartões de crédito, o parcelamento é oferecido pelos próprios prestadores como forma de atrair clientes. Não à toa, eles mesmos costumam arcar com as tarifas dos parcelamentos. É o famoso “10 vezes sem juros”!

Ao optar pelo parcelamento no cartão de crédito de uma despesa, é fundamental ficar atento a dois aspectos. Em primeiro lugar, lembre-se de que o valor total de uma compra parcelada bloqueia o limite do cartão, que vai sendo liberado aos poucos, conforme o pagamento das parcelas.

Retomando o exemplo do cartão com limite de R$ 1.500, caso o cliente faça uma compra de R$ 1.200 em 10 vezes, ele ficará com apenas R$ 300 de limite. Após o pagamento da primeira parcela, R$ 420; após o pagamento da segunda, R$ 540 e assim por diante.

Ainda a respeito do parcelamento, também é essencial considerá-lo no planejamento financeiro para não se enrolar com as contas. Uma parcela de R$ 100 sozinha pode não pesar tanto no orçamento, mas e 5 parcelas de valores semelhantes? Pense nisso e, sempre que possível, prefira fazer o pagamento à vista no cartão de crédito!